Amigos

Fazer amigos é uma arte que eu adoro. Fiz muitos amigos no Canadá, mas nos últimos meses eu estava mais próxima das minhas brasileirinhas Aline e Marília e dos suiços queridos Christopher, Tim e Jonas. Para recordar todos os momentos que vivemos lá, eu fiz um vídeo com as nossas fotos. Vale à pena assistir

Hora do Bye Bye

Nunca lidei bem com despedidas. Para mim é muito difícil afastar-se das pessoas, principalmente daquelas que a gente gosta. No intercâmbio, fazemos amigos, os tornamos íntimos a cada segundo.  Tudo é tão intenso, que não é fácil separar ou dizer adeus.

Nos últimos meses, vários amigos voltaram para seus países e me deixaram com um coração pequeno, cheios de saudades e com muitas lembranças de momentos bons. As minhas duas fofurinhas da Espanha e da Suiça, Silvia e Sandrine, foram embora. Nunca vou esquecer-me das noites engraçadas cantando no karaokê, das danças indianas. Tantas coisas que fizeram o primeiro mês passar mais rápido e diminuir a saudade de casa.

Outra pessoa maravilhosa foi a Flávia, que me ajudou muito a melhorar meu inglês. Também, não posso esquecer das risadas da Alê, da Espanha, e do carinho da Claudine, da Suiça. Nossa! Como elas fazem falta.

Esse segundo mês em Vancouver, sem dúvida, foi o mês mais feliz. Novos estudantes, novos amigos, feriado em Vancouver. Tudo ajudou.  Lud (Francês), Valéria (Brasil) mais a Jana (Brasil). Juntos como peças de um quebra-cabeça.  Cada programação, momento de alegria tornaram-se a nossa amizade muito especial. Isso diminuiu a saudade de casa.

O triste dessa relação intensa é a hora de dizer adeus. Na verdade, não sabemos se vamos ver essas pessoas novamente. A probabilidade está mais para o não do que o sim. As minhas amadas brasileirinhas, espero encontrar com elas logo no Brasil.

Para mim, o segredo desse jogo de emoções é fazer amizades intensamente, curtir cada minuto, não ficar em casa, sair para conhecer novas culturas e pessoas. Vou guardar para sempre cada minuto de felicidade e de sufoco com todos os meus amigos aqui.

Dormir? A gente deixa para dormir no Brasil.